Educação Arbitral.


A RECRUTAMENTO CORPORATIVO DA IMAC.

Os homens e mulheres que trabalham no sistema alternativo e extrajudicial de resolução de conflitos, não precisam necessariamente ter formação superior ou serem graduados em Direito, pois, de acordo com os regulamentos expostos na Convenção de Nova Iorque, realizada em 10/06/1958, que criou o e reconheceu  instituto da mediação arbitral como uma alternativa legal para resolver conflitos, em que as partes envolvidas tem o direito de propriedade e autoridade para tomar decisão,  são pessoas comuns, idôneas, e neutras, escolhidas ou aceitas pelas partes,  e que podem atuam em diferentes áreas do conhecimento humano, que podem atuar como mediadores para ajudar que as partes entrem em acordo, ou na posição de  árbitro, que após examinar fatos, ouvir testemunhas, pode determinar uma solução arbitral para diluir o conflito, que será aceita e obedecida pelas partes envolvidas.

 

O Mediador ou Árbitro, que é preparado, reconhecido e credenciado, por uma Câmara de Mediação e Arbitragem devidamente habilitada, e reconhecida pelos órgãos governamentais  para esse fim, procura contribuir, com seus conhecimentos pessoais e habilidades técnicas ou profissionais, para ajudar os litigantes  a resolverem seus conflitos de interesses, e firmarem acordo, para resolver o conflito e estabelecer a paz.

 

No entanto, se faz extremamente necessário, para a prestação de um serviço com boa qualidade nos procedimentos de MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM,  que o MEDIADOR envolvido possua uma preparação técnica sobre os procedimentos relacionados com seu trabalho e conhecimento das leis e dos métodos existentes de forma atualizada.

 

Para esse fim o TCI - TREINAMENTO CORPORATIVO IMAC, para de uma forma, rápida, objetiva e dinâmica, preparar pessoas, previamente selecionadas ou indicadas por outros servidores IMAC, para atuar conforme os propósitos e regulamentos da empresa para oferecer as partes litigantes envolvidas em uma demanda pessoal ou decorrente de negócios, serviços de primeira qualidade que serão prestados, por competentes mediadores, de forma imparcial, justa e que proporcione satisfação aos envolvidos por terem encontrado o melhor caminho em busca da solução definitiva para o conflito existente.

 

O TCI IMAC É  TREINAMENTO QUE AVANÇA DA TEORÍA PARA A PRÁTICA.

Desde o inicio, em 1958, quando representantes de 147 Nações, se reuniram em Nova Iorque sob a liderança da ONU, para estabelecer  Mediação e Arbitragem particular, como uma alternativa legal, para a resolução de conflitos, tem surgido, muitas Câmaras Arbitrais, que atuam em diferentes países, e são criadas, para atender em diferentes, mercados, situações, culturas e idiomas. Levando em conta isso, cada Câmara tem o seu proposito operacional e o seu nicho de atuação, para um ou mas seguimentos.

 

O propósito da IMAC, inicialmente foi servir e atender a comunidade imigrante brasileira que vive e trabalha nos Estados Unidos,  e atuar resolvendo conflitos, pendências e cobranças,  decorrentes de negócios de importação e exportação no eixo Brasil-Estados Unidos. Porém com o sucesso de seu trabalho, inicial e reconhecimento de sua necessidade de expansão para atender a comunidade imigrante brasileira, e empresários brasileiros, que atuam em outras nações e precisam de seu trabalho, a IMAC, está ampliando suas possibilidades, e recrutando pessoas para atuar onde elas estejam, operando com o apoio logístico IMAC, e de acordo com as leis nacionais de cada pais. 

 

Após o candidato ser aprovado no TCI, a IMAC, o habilita como seu Agente Autorizado ou Mediador, e firma com ele um CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS  AUTÔNOMOS, para que ele atue em um período experimental de três meses, para comprovar sua capacidade de produção, que após ser comprovada, no final do período de três, será renovada, por 12 meses, e ele receberá uma linda credencial corporativa que para se identificar, perante os seus clientes como Agentes Autorizados IMAC  ou nas audiências de 

conciliação, como Mediador Credenciado IMAC.

 



Mediação, Conciliação e Arbitragem - Entenda a diferença.

O maior desafio para os advogados é procurar a solução de conflitos, ou seja, agir de forma efetiva para oferecer justiça a quem dela precisa. Essa busca, no entanto, precisa ser mais rápida do que a morosidade da Justiça, o que constitui um obstáculo para qualquer empresa ou pessoa em território nacional.

Conforme estabelecem juristas mais identificados com o que é considerado uma onda de renovação na Justiça brasileira, é preciso concentrar forças na busca de três itens básicos:

  1. A melhoria da assistência judiciária, com acesso mais fácil à Justiça para todos;
  2. A proteção dos direitos coletivos e difusos;
  3. A efetividade da jurisdição.

De acordo com esses juristas, apenas a efetividade da prestação jurisdicional caminha de forma mais lenta, uma vez que a Defensoria Pública e o Ministério Público vêm garantindo grandes avanços no acesso à Justiça e na proteção dos direitos difusos e coletivos.

Uma das alternativas para ajudar na composição de litígios, que pode contribuir para a efetividade da jurisdição é a solução alternativa, através da conciliação, da mediação e da arbitragem.

Essa solução alternativa não é nenhuma novidade, já que, desde a Constituição Política do Império do Brasil, desde 1824, já constava na lei. Além dela, o Código Civil vem tratando das formas alternativas de solução de conflitos em todas as suas edições, desde 1916, passando pelo CC de 1939 e pelo CC de 1973.

A Lei 9.307/96 também dispunha sobre soluções alternativas, mas, passados mais de 20 anos, o disposto já não correspondia mais às demandas e necessidades sociais. Dessa forma, foi editada a Lei 13.129/2015 que, entre suas novidades, consolidou a jurisprudência do STJ através de alguns pontos:

  • Utilização da arbitragem pela administração pública;
  • Sentenças arbitrais parciais;
  • Redução das hipóteses de nulidade de sentenças arbitrais;
  • Utilização de tutela de urgência antes da constituição do juízo arbitral;
  • Criação de carta arbitral;
  • Retirada de acionista minoritário que discordar de inclusão de cláusula compromissária no estatuto social;
  • Possibilidade de as partes deixarem de lado o dispositivo arbitral que limite a escolha do árbitro;
  • Previsão de interrupção da prescrição pela arbitragem.

O novo Código de Processo Civil veio para consagrar a conciliação, a mediação e a arbitragem, oferecendo uma nova conotação às soluções alternativas, conferindo-lhes atributos próprios de jurisdição. Para alguns, essas soluções alternativas ainda são algo um tanto complexas.

O que são as soluções alternativas?

A mediação, conciliação e arbitragem diferem. E é importante entender as diferenças para que a melhor solução seja aplicada em cada situação.

Mediação

A mediação tem como objetivo recuperar o diálogo entre as partes, fazendo com que escolham a melhor solução. As técnicas de abordagem na mediação devem primeiro buscar o diálogo para, depois, tratar do conflito existente.

Somente depois de tratado é que se busca a solução. Ou seja, na mediação não é preciso haver interferência, deixando que ambas as partes cheguem a um acordo por si, mantendo-se como autoras de suas próprias soluções.

Conciliação

A conciliação é a alternativa mais indicada quando existe uma identificação evidente do problema e quando o problema é a razão de conflito. Dessa forma, não é a falta de comunicação que vai impedir um resultado positivo e, diferentemente da mediação, o conciliador pode sugerir uma solução.

O conciliador pode fazer uma intervenção para um acordo justo entre as partes, além de estabelecer a forma como o acordo deve ser cumprido. A conciliação é uma das principais ferramentas, principalmente na Justiça Trabalhista.

Arbitragem

Quando as partes não conseguem chegar a um resultado amigável, entra em cena a arbitragem. Aqui, as partes permitem que um terceiro, o árbitro, que deve ser um especialista na matéria em questão, resolva a controvérsia, e sua decisão tem a força de uma sentença judicial, não admitindo recursos.

Essas soluções alternativas servem para ajudar a desobstruir a Justiça, buscam um melhor entendimento entre as partes e aceleram a solução dos problemas.

Pagamentos de Servidores e Contratados.

A instituição financeira que guarda os valores movimentados pela INTERNATIONAL MEDIATION AND ARBITRATION CHAMBER LLC, é o Wells Fargo Bank, e a empresa útiliza-se para distribuir os comissionamentos e honorários de seus servidores  que é feito por via de transferência eletrônica, por meios populares como de sistemas de remessas como o  PayPay, e o  Western Union,  de quem a IMAC, também é uma agência credenciada para receber e fazer remessas.

 

A empresa deposita os pagamentos dos serviços prestados,  nas contas bancárias  fornecidas por seus Contratados e Servidores, conforme as entradas decorrentes de seus serviços prestados. O pagamento será feito até o quinto dia útil, de cada mês entrante, no pagamento do honorários correspondente as entradas do mês anterior, excetos nos negócios excepcionais, feita através da IMACONSULT,   como nas aquisições internacionais, ou na intermediação de compra e venda de ouro que obedece outras regras, conforme o acordo feito em cada negociação.

 


Solicite Informação.

Note: Please fill out the fields marked with an asterisk.


TREINAMENTO CORPORATIVO IMAC

Download
CARTILHA DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM
Produzida pela Comissão de Mediação e Arbitragem da OAB/ Guarujá

Rua Buenos Aires. 880 - Centro Guarujá. SP CEP 11410-010

REPRODUCÃO PERMITIDA DESDE QUE CITADA A FONTE
cartilha-de-mediaao-e-arbitragem_compres
Adobe Acrobat Document 426.6 KB

Sua Melhor Chance de Atuar na Mediação e Arbitragem Internacional!